Leasing vs. Renting: conheça as diferenças

leasing vs renting

    Saber distinguir as diferenças entre estas duas modalidades é uma dúvida comum no universo das PME. Falemos então de renting vs. leasing e de tudo o que precisa saber sobre aluguer de equipamentos.

    Se a sua PME precisa de novos equipamentos, é natural que já tenha começado a analisar todas as opções que estão ao seu alcance. Afinal de contas, nem só de crédito e de pagamentos a pronto se faz o mercado. É aqui que o renting e o leasing entram em cena enquanto modalidades de aluguer de equipamento alternativas e lógicas sob determinadas condições.

    Convém desde já esclarecer que renting não é crédito, é somente um aluguer e nada mais do que isso. O cliente recebe o equipamento nas suas instalações e usufrui dele tal como se fosse seu, pagando uma renda ao efetivo proprietário (que cede a utilização em troca dessa mensalidade) durante um período previamente acordado.

    A modalidade de leasing é semelhante, podendo definir-se como um sistema de aluguer e financiamento de equipamento. A grande diferença é que neste caso há uma intenção de aquisição do equipamento no final do contrato mediante o pagamento de um valor residual, algo que não acontece no renting.

     

    comparativa leasing renting

     

    Vejamos então mais em detalhe cada uma destas modalidades e de que forma se podem adaptar às suas necessidades.

    Leasing vs. Renting

    Renting e leasing apresentam uma grande vantagem comum: permitem o acesso ao melhor e mais recente equipamento sem qualquer investimento inicial. Estas são excelentes notícias para as empresas que pretendem tornar-se mais modernas e competitivas sem que isso represente uma perda considerável de liquidez (mantendo o capital disponível para enfrentar outros desafios essenciais ao seu crescimento ou até fazer frente a outras questões mais complicadas) ou o envolvimento com compromissos e o pagamento de taxas e comissões que o crédito normalmente implica. Todavia, fazem-nos de formas diferentes.

    Renting

    O renting assume-se como uma modalidade de aluguer de equipamento mais livre e descomprometida. Na prática, consiste em dar ao cliente a possibilidade de usufruir dos equipamentos pretendidos tal como se fossem seus, mas sem que isso envolva delapidar o cash flow e beneficiando ao mesmo tempo de evidentes vantagens fiscais.

    Isto significa que o renting não requer qualquer entrada inicial, ficando o cliente apenas encarregue do pagamento de uma renda fixa previamente planeada e durante determinado tempo também previamente acordado – tipicamente entre 12 meses e 7 anos –, e sendo que esse custo é 100% dedutível em sede de IVA e de IRC.

    No final, basta informar atempadamente a entidade locatária – a efetiva proprietária do equipamento – de que não pretende continuar a usar os equipamentos, ou até que os pretende substituir por outros mais modernos e produtivos através de um novo contrato de renting.

    Dito isto, o renting não só não envolve qualquer tipo de crédito nem entrada inicial, como também não prevê qualquer valor residual ou a aquisição do equipamento obsoleto.

    Leasing

    O leasing é de forma geral tudo o que acabámos de dizer sobre o renting, mas com uma grande diferença: no leasing há uma intenção subjacente de se comprar o equipamento no final do contrato, algo que no renting não acontece. Para concretizar essa propriedade efetiva, o cliente terá de pagar aquilo a que se chama de valor residual.

    Isto levanta dois tipos de considerações. Por um lado, uma mensalidade mais baixa – tendencialmente preferível por parte das empresas, que infelizmente lida na sua grande maioria com dificuldades de tesouraria – pode significar um valor residual mais alto, pelo que as PME devem ter muita atenção a esta questão antes de avançarem com uma decisão.

    Por outro lado, a propriedade efetiva faz com que o equipamento passe a ser considerado um ativo da empresa, perdendo-se assim acesso aos benefícios fiscais que lhe são permitidos durante o renting – além de que passa a ter de se preocupar com questões como a logística, a manutenção, o espaço ocupado, a depreciação numa possível venda face ao valor investido e até com o fim de vida do equipamento: o que fazer com ele quando avariar de vez ou já não tiver qualquer utilidade?

    Quais as vantagens da locação de equipamentos?

     

    Locação não desequilibra as contas

    Não desequilibra as contas da sua empresa.

    Regra geral, a locação permite-lhe alugar um equipamento que não pode comprar – ou mesmo podendo prefere não o fazer. Não terá de fazer qualquer pagamento à cabeça e a renda mensal é normalmente mais acessível face ao valor anexado a qualquer empréstimo comercial ou linha de crédito bancário.

     

    leasing vs renting: mantêm a empresa competitiva

    Mantém a sua empresa moderna e competitiva.

    Terá acesso ao equipamento mais avançado, podendo substituí-lo periodicamente por outro mais recente no caso do renting, bastando que devolva a tecnologia obsoleta no final do contrato e a renove num novo contrato. Também pode optar por adquirir as soluções pagando o valor residual no caso apenas do leasing.

     

    maior flexibilidade

    Liberta e dá flexibilidade ao cash flow da sua empresa.

    Descapitalizar a sua PME com a compra de equipamentos pode não ser a melhor estratégia, sobretudo quando sabemos que grande parte das PME se debate com questões de tesouraria. Evite fazer pagamentos iniciais e use esse dinheiro para reforçar o stock ou guarde-o simplesmente para pagar contas e salários.

     

    benefícios fiscais do leasing e do renting

    Dá à sua empresa acesso a evidentes benefícios fiscais.

    Ao assinar um contrato de aluguer operacional ou locação financeira que envolva o usufruo de equipamentos nas instalações da sua empresa e tal como se fossem seus, estará a beneficiar a sua empresa sob o ponto de vista fiscal: não só as rendas são fixas e fáceis de planear, como são também 100% dedutíveis.

     

    processos mais rápidos

    Processo de avaliação mais rápido e menos burocrático.

    Isto não significa que o estudo e análise sejam pouco incisivos. Há de facto uma metodologia sólida que permite aferir a capacidade que as PME têm para cumprir o plano de pagamentos associado ao contrato, só que isto é feito de uma forma mais rápida, menos burocrática e por isso mais satisfatória.

    Como escolher a melhor opção?

    Dito isto, a decisão entre optar por renting ou leasing deve partir sempre da análise das necessidades e das motivações de cada empresa. Procure um parceiro especializado que consiga analisar consigo questões tão importantes como: pretende adquirir o equipamento no final do contrato? Valerá a pena investir esse valor residual por algo que poderá estar quase obsoleto? Será mais vantajoso iniciar um novo contrato, com um equipamento mais moderno e tecnologicamente avançado?

    É claro que nem o renting nem o leasing serão sempre a opção mais indicada para a aquisição de equipamentos – tal como a compra a pronto ou com recurso a crédito nem sempre será a opção mais vantajosa para esse mesmo fim. Todavia, renting e leasing são soluções que devem ser consideradas na hora de alugar equipamento.

    Cabe-lhe a si estudar e analisar bem as várias opções disponíveis e escolher aquela que faz mais sentido para a sua empresa. Mas não precisa de o fazer sozinho. Na Liqui.do terá sempre a porta aberta para saber como encontrar melhor solução de renting para a sua empresa.